Missionárias de Jesus Crucificado

Missionárias de Jesus Crucificado

Missão

 Dom Barreto deixou claro: - "a finalidade específica visa a salvação das almas, diretamente". E, nesse diretamente   estava toda a novidade da Congregação. - "dedicar-se com afinco e sem restrições, ao bem do próximo, onde quer que sejam reclamadas"... 
"IR EM BUSCA!"   "- devem espontaneamente visitar as famílias... de preferência visitarão casa por casa, nos bairros  operários... visitarão as fábricas, os cárceres, as casas dos pobres... ". Consciente da originalidade da Congregação  que ele e Maria Villac acabaram de fundar, ensinou às Irmãs: - "A Missionária não significa estabilização, mas anda  sempre adiante, não deve ficar esperando que o trabalho venha em suas mãos. Deve ir sempre em busca..."     

Madre Maria junto com meninas carentes

 Com um pé no mundo e outro no convento

 "A necessidade da Igreja é a das senhoras: pé na rua . As senhoras foram chamadas para o trabalho das almas,  tendo por clausura a rua e a casa dos mais necessitados".  
É a missão fora da casa. O segredo das Missionárias de Jesus Crucificado, no " ir em busca " estava na mesma fonte que encorajou os Apóstolos: um CRUCIFICADO .
Um Deus que busca a pessoa, para mostrar-lhe um caminho novo, caminho de fraternidade, justiça, partilha. Caminho que é cruz, sim, mas ainda assim CAMINHO : que leva à Ressurreição , à superação dos egoísmos, das desigualdades. "Somos uma seqüência de Paulo, e só queremos pregar a Cristo Crucificado, princípio de vida".
O Crucificado está hoje presente nos crucificados que o Sistema prega nas cruzes da exclusão, da fome, da doença, do desemprego, do abandono, das dependências tóxicas, das filas, do analfabetismo, do não - direito à vida.
Toda a vida do povo faz parte da oração diária das Missionárias de Jesus Crucificado: a Paixão de ontem que acontece hoje; a Ressurreição de ontem que mantém viva e firme a esperança nas ressurreições de hoje. Onde está esta certeza? Na Palavra do Senhor, que se mostra real e eficaz, no dia a dia. Esta busca de força e de esperança é que alimenta a vida missionária. Ela é o " pé dentro ". "As senhoras, em sua vida contemplativa e de apostolado, são como quem tem um pé no mundo e outro no convento". É a vivência da Espiritualidade. É a vida de oração-Contemplação.

MARIA, a "outra" MARIA. 

 Desde o início a devoção a Maria, Mãe de Jesus, foi fortemente inculcada, em cada Missionária de Jesus Crucificado. Solidárias, como Maria, que não deixou faltar o vinho da vida, que alegra, restaura a confiança e a esperança de um mundo novo de igualdade, de mais vida para todos. Maria que comungou da Paixão do Cristo, de Sua Ressurreição e é, hoje, a Mãe da Igreja, solidária com tantas Marias que sofrem. 


Para imitá-la, querem as Missionárias ser solidárias também. Querem ser Maria-serviço, Maria profetisa da Libertação, sensível aos problemas do seu povo, Maria realizadora da Palavra, Maria fiel até à Cruz, Maria animadora da Comunidade Cristã. Para isto, fazem o voto de proclamar o mistério da Virgem Mãe e, através dele, o mistério do Cristo Redentor. Prometem falar, de modo especial, de seu amor de Mãe de Deus e Mãe nossa.  
 

MANSIDÃO

Numa sociedade que se torna cada vez mais violenta, parece importante refletir sobre a bondade e a mansidão de Madre Maria Villac. Sua mansidão impressionou Dom Barreto, que percebeu o quanto esta virtude era fecunda na pastoral. Praticou-a, ele mesmo, em primeiro lugar, fazendo o voto de mansidão e, depois, estendeu-o a toda a Congregação que, com isso, procura imitar Aquele que disse: - "aprendei de Mim, que sou manso e humilde de coração". 
O Lugar da missionária é no coração do conflito, onde ela pratica a mansidão de Jesus, sendo no mesmo tempo: doce e firme.